Suzanna Lubrano nega acusação de rapto dos filhos

Após várias acusações de ter raptado os seus quatro filhos e de ter fugido para a Holanda, Suzanna Lubrano decide contar toda a verdade sobre as acusações lançadas pelo seu ex-marido e seus familiares.

 

Suzanna Lubrano nega acusação de rapto dos filhos

 

Mediante um comunicado enviado pelo seu agente ao Portal Jet7 Angola, Suzanna Lubrano explica que não raptou os filhos, pois, tem a guarda exclusiva dos mesmos e acusa o ex-marido de violência doméstica, falta de assistência aos filhos e de ser viciado em alcóol e drogas.

 

Leia o comunicado de Suzanna Lubrano sobre as acusações de rapto

 

Desde Sexta-Feira 3 de Outubro de 2014, que há publicações e relatórios em meios de comunicação social de Cabo Verde, Angola e  Moçambique com base em acusações do meu ex-marido e seu pai. Eles afirmam que sequestrei os meus filhos.

 

Primeiro que tudo, este é um assunto privado. Eu sempre tentei manter minha vida privada, incluindo a dos meus filhos, fora do público. Infelizmente, agora fui forçada a responder a acusações graves, mas falsas sobre a minha vida privada.

 

Em segundo lugar, estou muito surpresa por essa notícia prejudicial sobre mim estar nos média há vários dias, e mesmo assim a maioria dos jornalistas não me contactaram para perguntar o meu lado da história. Radiotelevisão Caboverdiana (RTC), por exemplo, passou uma entrevista com o meu ex-marido e seu pai. Enquanto filmavam a entrevista, eles tiveram tempo suficiente para me contactar e pedir a minha resposta. Isso não foi feito. Até hoje, RTC não me ligou para ouvir o meu lado da história.

 

Agora deixem-me informá-los sobre os factos

 

Foi amplamente divulgado que eu 'sequestrei' quatro filhos. No entanto, tenho três filhos com Carlos Eduardo Lobo: meninas gémeas e um filho. Minha filha mais velha tem outro pai (Beto Dias). Eu tenho a guarda exclusiva dos filhos. Nos papéis do divórcio está claramente escrito que: "Os menores ficarão sob a guarda e cuidados da mãe”. Não há guarda compartilhada, nem parentalidade compartilhada. Uma mãe que tem 100% da custódia dos seus filhos não pode legalmente sequestrar os seus filhos. A acusação de que eu sequestrei os meus filhos é totalmente absurda. Além disso, eu e todos os meus filhos somos portadores de passaportes holandeses. Ninguém pode impedir que cidadãos holandeses possam viver na Holanda.

 

Eu viajei para a Holanda com uma carta do Tribunal de Sal (Cabo Verde), afirmando que eu tenho a guarda dos meus filhos. A carta do Tribunal de Sal é devidamente legalizada no Consulado Honorário da Holanda na Praia.

 

É verdade que a polícia no aeroporto foi informada pelo meu ex-marido, que eu não estava autorizada a viajar com as crianças sem o consentimento do pai. Como resultado, a polícia de fronteira, cumprido bem o seu trabalho, inicialmente não me permitiram viajar. No dia seguinte, a polícia entendeu que a carta do Tribunal do Sal, afirmando que eu tenho a guarda exclusiva dos meus filhos era verídica, assim sendo, anulou a informação dada à polícia de fronteira pelo meu ex-marido. A polícia agiu correctamente e com muita responsabilidade.

 

O meu ex-marido e seu pai afirmam que, há um par de anos atrás, eu viajei para a Holanda com meus filhos depois de forjar a sua assinatura. Decidi viajar para a Holanda com os meus filhos, como resultado da violência doméstica dirigida a mim e aos meus filhos. Mais tarde, decidi voltar a Cabo Verde para dar uma outra oportunidade ao meu casamento, mas infelizmente o meu ex-marido “não passou no teste” mais uma vez. Meu ex-marido era viciado em drogas e álcool, resultando em violência e outros comportamentos irresponsáveis, e eu não poderia expor os meus filhos a esses vícios e violência.

 

Nossa separação foi há três anos, o divórcio foi formalizado há dois anos. Apesar da nossa separação, eu decidi ficar no Sal e viver em meu próprio apartamento. Quando se tornou cada vez mais claro que uma vida de separada no Sal não estava no melhor interesse dos meus filhos, começámos a considerar a possibilidade de voltar para a Holanda. Especialmente os meus filhos queriam voltar para Roterdão. No entanto, a família Lobo queria forçar as crianças a continuar a viver na ilha do Sal, ao contrário dos fortes desejos das crianças para viver e estudar na Holanda.

 

Meus filhos imploraram-me para voltar à escola antiga na Holanda. Pedi o consentimento do pai, mas ele recusou. Um diálogo responsável com o pai dos meus três filhos foi totalmente impossível. Ele fez tudo o que podia para nos impedir de voltar para a Holanda, e ele ainda tentou nos impedir de ir para a Holanda durante as férias escolares.

 

Meu ex-marido nunca pagou alimentação, nem nunca pagou quaisquer outras despesas dos seus filhos. Mesmo durante o nosso casamento, meu ex-marido nunca pagou qualquer custo de vida para os meus / nossos filhos. Ao longo dos anos, todas as despesas de subsistência de todos os meus filhos foram sempre pagas por mim. Meu ex-marido sempre alegou que ele não tinha dinheiro para sustentar os seus filhos, porque seu pai nunca lhe dinheiro.

 

Meu ex-marido nunca teve um papel na educação das crianças. Depois do nosso divórcio, passavam-se muitos meses sem qualquer telefonema ou visita ao seus filhos. Só depois do meu ex-marido saber que eu e os meus filhos queríamos voltar para a Holanda, é que começou a fazer uso do seu direito de ver as crianças. Antes disso, ele quase não fez uso desse direito.

 

Nós sentimo-nos presos e chantageados. Ele fez com que fosse impossível levarmos uma vida normal no Sal. Quando meu ex-marido começou a fazer novamente o uso do seu direito de ver os filhos, as crianças não queriam ir para o pai. Como um viciado em álcool e drogas, ele agiu impulsivamente com os seus filhos, mesmo pondo-os em perigo. Meus filhos tinham medo de ir com ele.

 

Os últimos três anos tiveram um enorme impacto na minha carreira. Eu tive que cancelar muitos compromissos por causa da situação intolerável no Sal. Meu CD novo teve de ser adiado muitas vezes como resultado de toda a injustiça que foi feita a mim pela família Lobo.

 

Eu sou uma mãe. Meus filhos vêm em primeiro lugar, a minha carreira vem em segundo lugar. Eu sempre vou lutar para os meus filhos até ao fim. É meu dever como mãe deixar os meus filhos viverem em segurança e liberdade. Eu e os meus filhos finalmente escapámos da "prisão" imposta a mim por Patone e Carlos Lobo.

 

O pai pode ver seus filhos quando quiser, desde que não afecte negativamente o futuro dos meus filhos.

 

Minha vida e carreira estão na Holanda, as crianças estão de volta a boas escolas e a uma vida normal. Eles agora estão muito felizes a viver e estudar na Holanda.

 

Este não é o primeiro caso no mundo que, infelizmente, crianças de pais divorciados vivem em países diferentes. Meu ex-marido recusou-se a ter um diálogo responsável comigo. Ele forçou-me a tomar esta decisão, uma decisão tomada no interesse dos meus e dos seus filhos.

 

Fonte: Jet7 Angola

Vídeos Sugeridos

Procurar Vídeo