Entrevista com Nelsa Alves, Miss Angola 2009

Aos 21 anos, Nelsa Alves foi eleita a mais bela do país no concurso Miss Angola 2009. A até então estudante universitária de Engenharia do Ambiente viu a sua vida sofrer uma mudança radical: entrou no mundo da moda, deu voz e imagem a campanhas de solidariedade e representou o país dentro e fora de fronteiras. A poucas semanas de passar a coroa e a faixa à sua sucessora, — a eleição da Miss Angola 2010 será no próximo dia 11 de Dezembro —, conversámos com a jovem que com os pés bem assentes na terra sabe o que quer para o seu futuro.

Foi eleita Miss Angola 2009 há quase um ano. Qual o balanço que faz do seu reinado?

Foi um ano de grande responsabilidade que mudou a minha vida como jovem e estudante. Adquiri várias responsabilidades tais como posicionar-me perante a sociedade, e ser solidária para com os mais necessitados. Tornei-me uma pessoa mais adulta e acho que estou preparada para assumir as responsabilidades que a vida me irá trazer no futuro

.

Como foi o caminho até ser coroada rainha da beleza 
de Angola?

A primeira vez que pisei uma passerelle foi no concurso Miss Ingombota. Desde muito pequena que os meus amigos e familiares sempre me diziam que seria miss. Por causa da postura e também devido ao meu perfil físico. Mas nunca foi um sonho. Quando fiz 21 anos e ouvi a publicidade do concurso Miss Ingombota, senti que deveria participar para granjear alguma experiência.

Pensava vir a ser modelo?

Não. Os meus objectivos eram apenas o concurso mas tenho feito alguns trabalhos como modelo dos quais tenho gostado muito. Não quero fazer disso uma profissão, mas sempre que receber um convite pretendo avaliar, ver se vale a pena. A Step Model tem um projecto bom que é o Prêt-à-Porter, um desfile para angariar fundos para ajudar instituições e escolas públicas a adquirir livros. Espero, no futuro, poder prestar solidariedade através de eventos desse género.

Tem sido fácil conciliar 
o curso universitário 
com o ser Miss?

Estou no 4.º ano do Curso de Engenharia dos Recursos Naturais e Meio Ambiente na Universidade Independente. Não tem sido fácil conciliar por causa das responsabilidades, mas o meu desejo de terminar a formação é maior ainda, então faço questão de equiparar as duas coisas. Procuro ter a mesma responsabilidade com os dois projectos.

Porquê o curso na área ambiental?

Na verdade, no início, pensei fazer Engenharia dos Petróleos na África do Sul, mais tarde é que decidi fazer o meu curso, que aborda o ambiente em si e como preservar e protegê-lo depois de fazer as explorações. Fala de um modo geral do cuidado que se deve ter com a natureza. Gosto cada vez mais do curso e das disciplinas. Com as mudanças que o país tem sofrido, especialmente na área de reconstrução será benéfico a nossa colaboração nessa área devido à poluição existente em várias vertentes.

Os seus colegas da universidade tratam-a de forma especial devido ao facto de ser miss?

Todos os dias isso é motivo de falatório. Acho que se sentem felizes e também tenho de lhes agradecer porque deram sempre uma grande força em vários momentos.

Pensa em seguir a profissão de Engenheira do Ambiente?

Sim. É o meu grande sonho. Quando pensei em participar no concurso Miss Angola pensei nos benefícios que me poderia trazer depois de terminar a minha formação. Uma bolsa para mestrado, um bom emprego, por exemplo. Tenho batalhado neste aspecto. A minha formação termina em Junho do próximo ano, penso depois fazer um estágio e em 2011 talvez fazer então um mestrado. Gostava muito de o fazer num país de expressão inglesa.

Participou no evento Miss Universo. Como correu?

Foi uma grande experiência que vivi nas Bahamas com mais de 80 candidatas de todo o mundo. Conheci um pouco de cada cultura, da língua e foi uma grande oportunidade, e responsabilidade também, de representar Angola. E as Bahamas são um país muito bonito de águas azuis e areias finas.

Fez muitas amizades entre 
as outras candidatas?

Fiz, especialmente com as latinas porque estava colocada no mesmo edifício que elas. Fiquei amiga das Miss Brasil, Colombia, Bolívia e Argentina.

Que ideia tinham as suas colegas de Angola?

Não sabiam onde ficava, tinham muito pouco conhecimento, com excepção das outras candidatas africanas, do Brasil e Reino Unido. Eu tentava explicar, falava da cultura, das danças, ensinava-lhes a dança do milindro, a rebita, kizomba, falava da gastronomia, dos pontos turísticos para se um dia elas pensassem cá vir, saberem o que podiam encontrar. Neste concurso, uma miss actua também como uma embaixadora, e desempenha um papel de divulgação do nome do país, da cultura e do crescimento que estamos a viver.

Vai custar entregar a faixa 
e a coroa no próximo mês?

Haverá uma mistura de sentimentos. Alguma tristeza porque um ano é pouco tempo. É uma grande alegria representar o país e participar em eventos de solidariedade e agora será outra pessoa a representar essa imagem. Estarei também feliz porque vou participar noutros projectos pessoais como o curso, os trabalhos na moda e outros projectos que ainda não são concretos e que prefiro dizer ao público mais tarde.

Como é que vê a evolução da moda angolana?

Tem crescido a cada dia que passa. Tanto em termos de profissionalismo das modelos como dos estilistas nacionais. No futuro vamos conseguir melhorar ainda mais e conseguir uma indústria de roupa. Angola tem crescido muito e o sector da moda vai acompanhar esse crescimento.

Quais os seus manequins e estilistas preferidos?

Karina Silva, sem dúvida. Tem uma personalidade em palco única, de uma modelo internacional. No que se refere aos estilistas gosto de Lisete Pote, Elisabete Santos.

Acredita que uma miss pode comer à vontade?

Pode, com regras e limites. Não posso abusar dos doces e do chocolate por causa do acne, por exemplo. Tenho de fazer exercícios para manter a linha corporal e fazer alguns tratamentos ao rosto por causa da maquilhagem feita diariamente.

Como reagiu a família quando disse que iria concorrer ao Miss Angola?

A família questionou-se um pouco, primeiro porque receavam que eu deixasse para trás os estudos. Quando demonstrei a minha vontade e expliquei os benefícios que poderia retirar se fosse eleita Miss Angola começaram a dar-me muito apoio

Na família já havia alguma ligação ao mundo da moda?

Tenho algumas primas que já partciparam em concursos de beleza, Miss Cabinda e Ingombota, uma tia tem um grande salão de cabeleireiro e uma avó que costura muito bem. Quando tinha 12 anos lembro-me que organizava concursos de misses com as minhas amigas no bairro.

O seu futuro passa por...

Primeiro pretendo atingir muitos sucessos na vida profissional. Mais para a frente quero casar, constituir família e ter quatro filhos biológicos e dois adoptados.

Como se define como pessoa?

Tímida, simples, simpática, teimosa. Uma dos aspectos positivos do concurso foi que me tornou mais descontraída e sociável.

O que é as pessoas lhe 
dizem na rua?

Às vezes tratam-me como se fosse uma boneca, como se não tivesse sensibilidade. Respeito sempre todos e sou educada.

Que lema tem na sua vida?  Não existem fracassos que diminuam o meu valor enquanto pessoa, pelo contrário, eles renovam a minha coragem e iniciativa.

Conselho de Miss


A Miss Angola 2010 será eleita no próximo mês de Dezembro. Nelsa Alves sabe bem 
que conselho tem para a sua sucessora. “Vou dizer-lhe que, apesar do título, não deixe de ter a sua personalidade, que lute pela sua formação e a termine porque o ser Miss Angola acaba ao fim de um ano. A fama tem um fim, mas o conhecimento fica sempre. 
O saber ninguém nos tira. Que a minha sucessora proveite a oportunidade para construir e melhorar o lado académico e profissional”.

Pretendo casar e constituir família, ter quatro filhos biológicos e dois adoptados.

Miss com responsabilidade social


A Miss Angola tem como campanhas primordiais o combate contra a SIDA, causa que Nelsa Alves abraçou durante o seu mandato. “Dei também o meu contributo a outras entidades, como foi o caso do Dia Mundial da Criança, em que fiz donativos a duas instituições carentes. Nesse evento estivemos perto das crianças, fizemos teatro e foi muito gratificante para mim ver aquelas pessoas com uma enorme vontade de crescer na vida. No mês de Março, no dia da Mulher, dei a minha imagem para a sensibilização das mulheres e jovens, em particular, para doarem sangue. Quando na província do Cunene houve a fatalidade das inundações fui prestar a minha solidariedade bem como entregar alguns donativos e medicamentos”, relembra.

Para Nelsa Alves a reacção da opinião pública a estas iniciativas não podia ser mais positiva. “Como jovem e como estudante acabo por servir como exemplo. 
É uma grande oportunidade dar a minha imagem por estas causas, fazer com que as pessoas se sensibilizem e pensem “porque é que aquela moça bonita com a idade que tem está a colaborar com estes assuntos”. É muito importante o trabalho de Miss Angola”, diz.


Pérfil

  • Nome: Nelsa Alves
  • Data de nascimento: 
6 de Julho de 1987
  • Naturalidade: Luanda
  • Pratos preferidos: Mufete, funge de calulu, bacalhau 
com natas, marisco
  • Música: Kizomba, semba, 
Paulo Flores, Eduardo Paim, Heavy C, Pérola, Ary, Beyoncé
  • Qualidade que mais aprecia: Simplicidade
  • Defeito que mais detesta: Falsidade
  • Viagem: Bahamas “mas desta vez à vontade — sem ser com obrigações de miss”


Fonte: O País

Rádio Jet7 Angola

Vídeos Sugeridos

Procurar Vídeo