Kid Mc: «O rap ainda é discriminado em Angola»

Kid Mc: «O rap ainda é discriminado em Angola»

 

Luanda- O rapper angolano Kid Sebastião Manuel "Kid Mc" anunciou quarta-feira, em Luanda, o lançamento este ano da sua terceira obra discográfica, com as mesmas bases musical e instrumental das anteriores, totalmente produzidas no estilo rap.

 

“O Kid não está parado como muitos pensam; pelo contrário está a trabalhar com muita força com o propósito de colocar o seu terceiro cd no mercado ainda no princípio do próximo ano. A mesma intitular-se-á Dois Lados da Mesma Moeda”, precisou.

 

Em declarações á Angop, a propósito da “saúde” do hip hop em Angola, numa altura em que se celebra mundialmente o dia da música, o rapper preferiu não adiantar o número de faixas nem as participações, mas afirmou que vai manter a linha que o caracteriza- o underground.

 

Disse notar, nos últimos tempos, maior abertura ao rap no music hall nacional. Porém, a seu ver, ainda insuficiente para apagar a “marca discriminatória” que se verifica em relação aos demais estilos, com realce o semba, quizomba e kuduro.

 

“O rap ainda é discriminado em Angola, ainda não é abraçado por Angola. E eu digo isto porque sou dos poucos que divide palcos com músicos de estilos mais comerciais. E nós somos muitos. Isto é artes e a arte é para ser respeitada, sobretudo as obras produzidas por angolanos”, analisou.

 

Na ocasião, Kid Mc manifestou-se honrado por ter participado (dia 20 de Setembro) no espectáculo de encerramento do Festival Nacional da Cultura (Fenacult/2014), por se tratar do maior evento cultural de Angola e que junta os principais artistas de todo o país.

 

Kid Sebastião Manuel nasceu em 1986 na Província da Huila.

 

Em 1992, devido ao conflito armado que assolou o País, mudou-se para Luanda, onde descobre o interesse pelas artes e música; tendo feito uma formação em Artes Plásticas numa instituição local.

 

Em 1988, interessa-se pelo rap por influência de um dos seus irmãos que coleccionava músicas de Mcs Americanos. Dez anos mais tarde, após ter assinado pela editora independente Mad Tapes, lança a sua primeira obra discográfica a solo intitulada "Caminhos".

 

Já em 2009 publica a sua Mixtape "Breves considerações" e conquista o carinho dos amantes do Hip Hop Angolano. Posteriormente colocou à disposição dos fãs "O Incorrigível" e, de seguida, “Sombra”, que lhe valeu o premio de “Melhor Artista Rap” no concurso Moda Luanda/2013.

 

Fonte: Angop

Rádio Jet7 Angola

Vídeos Sugeridos

Procurar Vídeo