Gabriel Satxibala: «Preferi parar e dedicar-me à formação musical»

Gabriel Satxibala: «Preferi parar e dedicar-me à formação musical»

 

O Jet7 Angola entrevistou o músico e produtor angolano "Gabriel Satxibala", entre muitas coisas, o artista falou-nos sobre os seus projetos musicais e das suas colaborações com artistas como Yuri da Cunha, Isidora Campos, Phathar Mak, Punidor e muitos mais.

 

Gabriel Satxibala nesta entrevista reiterou a importância da formação musical num mercado cada vez mais competitivo, e lamentou ainda a falta de condições que muitas vezes dificultam o trabalho dos produtores.

 

Jet7 Angola: Quem é o Gabriel Satxibala?

 

Gabriel Satxibala: Eu sou produtor na MTC Produções, em Angola. Tenho 35 anos, resido em luanda. Para além da música frequento o curso de psicologia, que está já na reta final, e trabalho na área de recursos humanos.

 

Sou um jovem lutador e ambicioso. Gosto de estar envolvido em projectos sociais, de crescer estudar e evoluir a cada dia que passa.

 

Jet7 Angola: Fale-nos um pouco do seu percurso artístico e de quem são as suas referências musicais?

 

Gabriel Satxibala: As minhas influências musicais foram os meus irmãos, Dj Zeblack, Dj Batuque e Dj Pedro Costa.

 

Tocavam em Portugal no porto, em casas africanas, sempre que podia eu ia vê-los tocar e gostava, mas nessa altura o meu sonho era ser jogador de futebol, como não tinha conseguido atingir esse objectivo, o meu irmão Batuque convidava-me para ir tocar com ele. Eu ia numa de brincadeira, mas vi que o público até gostava. Motivado, comecei a levar mais a sério e a dedicar-me mais.

 

Depois meus manos começaram a produzir e puxaram-me, e mais uma vez fui numa de "hobbie" e comecei a gostar. Entretanto deixei de tocar para ser só produtor e estava na faculdade a fazer o meu curso de psicologia, optei  por fazer cursos de produção em escolas de música, isso obrigou-me a parar por um tempo.

 

Hoje sinto-me preparado para esse nosso mercado que está cada vez mais repleto de bons músicos e produtores.

 

Jet7 Angola: O Gabriel está neste momento a trabalhar em algum projeto musical?

 

Gabriel Satxibala: Sim estou ... neste momento tenho produzido para Nazarina Semedo, Isidora Campos, Phathar Mak, Donna Kelly, Yola, Helga Fêty, Djamila Delves, DB, Punidor, Karina Silva e Yuri da Cunha.

 

Jet7 Angola: Acha importante os artistas promoverem músicas que contenham uma mensagem positiva sobretudo para uma sociedade como a nossa, que tem graves problemas ao nível cultural e de educação?

 

Gabriel Satxibala: Sim acho. Eu digo sempre que o artista é um profeta, o que ele diz influencia muito a sociedade, tanto para o bem como para mal, principalmente no nosso país onde o nível de alfabetização é baixo. Devemos ter muito cuidado com as letras sim.

 

Jet7 Angola: É comum vermos muitas pessoas dizerem que a maior parte das letras musicais em Angola são ainda muito fracas, quando comparadas com a produção de excelência que já se faz. Acha que em Angola os artistas valorizam mais a produção musical do que a composição (lírica) musical?

 

Gabriel Satxibala: Num passado recente sim, mas acho que hoje em dia os músicos em Angola já começam a preucupar-se mais com as letras porque a guerra atrasou muitas coisas no país, e isso não podemos negar. As letras eram feitas para o imediatismo, por vezes com mensagens nada educativas e o povo consumia  mais rápido.

 

Jet7 Angola: Quais são as maiores dificuldades que um produtor enfrenta em Angola?

 

Gabriel Satxibala: O acesso aos materiais de produção, ou são caros ou não há no país, a internet é lenta, certas letras mesmo contendo boas mensagens não vendem, dentro do nosso mercado musical não podes inovar muito porque o povo não consome, a não ser que se tenha muito dinheiro para investir em marketing e mesmo assim...

 

Jet7 Angola: Como define a sua música ?

 

Gabriel Satxibala: Boa pergunta (risos)... Gosto de fazer um pouco de tudo, kizomba, semba, rebita, afro house, house, kuduro, hip hop, rnb, etc.

 

Algumas pessoas dizem que isso é mau, outras defendem que é bom, mas eu não gosto de limitar-me. Se a minha mente, alma e coração me levam para ai, eu produzo. O meu forte é na linha melódica, tenho de crescer mais na parte rítmica.

 

Jet7 Angola: Como tem sido recebido o seu trabalho?

 

Gabriel Satxibala: No início não foi fácil, porque precisava de aperfeiçoar mais o meu trabalho, as pessoas não aderiam como queria.

 

Mas hoje já é bem recebido porque estou a produzir para quase todo peso pesado da nossa banda. A recepção tem sido boa.

 

Jet7 Angola: Pode explicar-nos qual é a diferença entre um produtor musical e um "beat-maker"?

 

Gabriel Satxibala: Para mim um produtor musica é alguém que para além de produzir o instrumental é músico, acompanha o cantor a nível do canto, letra, até a fase final.

 

É preciso garantir a qualidade para que o produto final seja bem consumido. O beatmaker é alguém que só vende "beats", tem as suas noções de música também, mas preocupa-se mais em vender e ter sons no mercado, mesmo que não seja uma música de top. Muitas das vezes preocupa-se mais em "samplar", copiar do que criar os seus próprios trabalhos.

 

Jet7 Angola:  Acha que temos muitos artistas criativos em Angola ou são ainda muitos aqueles que têm medo de arriscar e de criar coisas novas ?

 

Gabriel Satxibala: Criativos temos muitos, já ouve mais medo de se criar coisas novas, mas está a mudar e os nossos produtores nessa área estão a crescer muito. Já se tem visto muita coisa nova.

 

Jet7 Angola: A questão do plágio em Angola é muitas vezes banalizada pelo público, e fundamentalmente por alguns artistas. Em sua opinião, a falta de respeito pela arte criativa e a violação sistemática do Direito Autoral, deve-se a que factores?

 

Gabriel Satxibala:  Há uma coisa que eu digo sempre, existe o dom e a escola. Eu acredito mais na escola. Porque quando estudas habituas a tua mente a criar e produzir, e as coisas fluem  facilmente.

 

E isso foi uma das coisas que fez retardar o meu aparecimento no mercado, optei pela escola, no entanto, tinha formas de conseguir aparecer com plágios e músicas de outros, mas não quis. Preferi parar durante 6 anos e dedicar-me à formação musical, até aos dias de hoje.

 

Jet7 Angola: Quer deixar algum conselho para todos aqueles que sonham em ser músicos?

 

Gabriel Satxibala: Estudem e estudem música, toquem instrumentos, investiguem muito porque esse mundo a cada dia cresce. Porque só o dom não chega e talvez por isso muitos produtores tanto aparecem como desaparecem.

 

Jet7 Angola: Que pessoas nunca deixaria para trás?

 

Gabriel Satxibala: A minha família e todos que amo...

 

Jet7 Angola: Para terminar, o que vai no seu coração?

 

Gabriel Satxibala: Vai bem, sinto-me um homem muito feliz, realizado, com uma família que me apoia muito e que ama.

 

O Jet7 Angola agradece a disponibilidade e o carinho, retribuindo com votos de felicidades e muito sucesso na sua vida artística e pessoal.

 

Perfil:

Nome Completo:  Gabriel António Rodrigues Satxibala

 

Data de Nascimento: 26/05/79

 

Natural de: Luanda, Angola

 

Passatempos: Ir ao ginásio, jogar à bola com os amigos, ler, ir ao cinema, escrever e viajar.

 

Filhos: 3

 

Estado civil: Solteiro (noivo)

 

Filmes Favoritos: Titanic, Hotel Rwanda, Joana d,Arc, A lista de Chindler, O pianista, Cidade de Deus, A queda, as últimas horas de Hitler, Transformers , Gladiador e etc.

 

Músicos Favoritos: Nacionais: Bangão, Beto de Almeida, Paulo Flores, Yola Semedo, Kueno ayonda, Puto Português, Anselmo Ralph, C4, Nazarina Semedo, Isidora Campos, Helga Fety, Djamila Delves, Phathar Mak, Yannick Afromam.

 

Internacionais: Michael Jackson, Kanye West, Usher, Paula Fernandes, Whitney Houston, Dre, Rick Ross, Bob Marley, Michael Bolton, Steve Wonder, Ray Charles.

 

Livros Favoritos: Pepetela(mayombe), Livros de Marta Santos (escreve para crianças), Código da Vinci, Nietzsche, Diário de Sigmud Freud entre outros.

 

Eu sou viciado em: Na minha família

 

Fonte: Jet7 Angola

Rádio Jet7 Angola

Vídeos Sugeridos

Procurar Vídeo